Qual é a diferença entre ômega 3 e óleo de peixe?

Para uma vida normal, uma pessoa precisa de energia, que recebe na forma de comida. O funcionamento normal do corpo é proporcionado por vários minerais, vitaminas e substâncias benéficas, que na maior parte são produzidas pelo próprio corpo.

A falta de substâncias úteis enche-se da comida que contém os componentes necessários. No entanto, existem substâncias que o organismo não produz, mas a sua presença é essencial para o funcionamento normal de todos os órgãos e sistemas.

Ômega 3

A presença no corpo humano de ácidos graxos é um pré-requisito para o funcionamento normal. Muitas pessoas tendem a pensar que o óleo de peixe e o ômega 3 são exatamente as mesmas substâncias. No entanto, tal conclusão é superficial. A falácia dessa conclusão se deve ao fato de que esses dois medicamentos têm características e propriedades similares.

Ômega 3 - é um complexo de ácidos graxos necessário para o corpo para o funcionamento normal de muitos sistemas.

Além do óleo de peixe, a fonte do Omega 3 são produtos, que incluem:

  • Óleo de linho.
  • Óleo de noz.
  • Óleo de cânhamo.

Se o corpo humano contém uma pequena quantidade de ácidos graxos insaturados, então ele ameaça reduzir as propriedades de proteção e um aumento acentuado na probabilidade de contrair a SARS ou outras patologias infecciosas.

A falta dessa substância pode levar a distúrbios metabólicos no nível celular e, como conseqüência, a uma deterioração geral da saúde e perda de peso. Neste contexto, uma violação do funcionamento do sistema cardiovascular será bastante natural.

Óleo de peixe

É importante lembrar que, como resultado da exposição do ar aos ácidos graxos, ocorre o processo de oxidação, o que reduz significativamente seu valor terapêutico. Para evitar isso, a moderna indústria farmacológica produz cápsulas de óleo de peixe, que não só preservam as propriedades curativas da droga, mas também contribuem para uma melhor absorção no organismo.

Devido ao revestimento de gelatina, o contato entre ácidos graxos e oxigênio não ocorre.

Comer óleo de peixe permite que você:

  1. Elimine crises de dor durante o ciclo menstrual.
  2. Normalize a pressão arterial.
  3. Elimine qualquer processo inflamatório no corpo.
  4. Reduza a glicemia no diabetes.
  5. Normalize o metabolismo no nível celular.

Até à data, existe uma vasta gama de diferentes aditivos. No entanto, antes de começar a usá-los, seria mais sensato consultar primeiro um especialista.

Uma condição extremamente importante é considerada o momento em que o teor de ômega 3 no óleo de peixe não deve exceder 2 gramas . Exceder esta dose pode afetar adversamente a saúde e levar a complicações sérias.

Abuso e não cumprimento do esquema de consumo de óleo de peixe, muitas vezes causado por reações imunes perigosas.

Os médicos recomendam tomar este produto com extrema cautela para pessoas com função tireoidiana prejudicada.

O efeito especial do uso de óleo de peixe se manifesta durante a gravidez e amamentação, no entanto, a administração do medicamento e sua dosagem deve estar sob a supervisão do médico assistente.

A maioria dos especialistas recomenda que as crianças usem óleo de peixe não em cápsulas, mas em forma líquida. É claro que as qualidades gastronômicas dessa substância estão longe de serem perfeitas e é improvável que atraiam uma criança, mas é a versão líquida que será mais útil para o corpo da criança.

Semelhança

Omega 3 é uma parte integrante do óleo de peixe, por isso a sua semelhança se manifesta no efeito terapêutico sobre o corpo.

O uso de ômega 3 e óleo de peixe é favorecido por:

  • Regeneração de tecidos e a rápida cicatrização da pele lesada;
  • Otimização no trabalho dos órgãos do sistema cardiovascular;
  • Eliminação de processos patológicos nas articulações do sistema músculo-esquelético;
  • Trabalho equilibrado do sistema nervoso central;
  • O funcionamento normal de todas as áreas do cérebro e da medula espinhal;
  • Tem um efeito anti-inflamatório pronunciado.

A condição mais importante que une o óleo de peixe e o ômega 3 é o fato de ambos os medicamentos serem considerados as principais fontes de ácidos graxos semi- saturados.

A fim de manter o corpo saudável, uma pessoa precisa consumir pelo menos 3 g de ácidos graxos insaturados por dia. A taxa diária não deve exceder 6 g .

No entanto, vale a pena notar que o óleo de peixe e o ômega 3 não são exatamente a mesma coisa, já que é o óleo de peixe que é a principal e mais comum fonte de ácidos graxos que as pessoas precisam.

Diferenças

A principal nuance que distingue o óleo de peixe do ômega 3 é que ele não contém vitaminas A e D. O óleo de peixe é obtido exclusivamente a partir de peixes, e o Omega 3 também pode ser produzido a partir de plantas terrestres, como o linho.

Mas, neste caso, a preparação de origem vegetal não pode substituir Omega 3, que é obtido a partir de peixe, pois contém essencial para os ácidos graxos do corpo humano.

Resumindo, é necessário resumir a informação dada. Primeiro de tudo, é o óleo de peixe que contém a maior quantidade de ômega 3. Cerca de 300 miligramas de ômega 3 são contidos por grama de gordura.Esta concentração é em grande parte devido ao habitat do peixe.

Portanto, adquirir óleo de peixe, prestar especial atenção à quantidade de ômega 3. É importante entender que usando óleo de peixe, queremos obter o efeito curativo característico que Omega 3. Se 150 ml de gordura contém apenas 1 miligrama de Omega 3, então essa concentração não é ideal, porque a quantidade de conteúdo de ômega 3 é muito pequena.

Como a principal vantagem do óleo de peixe é o fato de ser considerado a melhor fonte de ácidos graxos, o dilema sobre o que é preferível aos produtos acima não é mais relevante.

Recomendado

O que distingue uma caldeira de circuito duplo de um único circuito
2019
Viferon ou Kipferon - as diferenças e o que é melhor
2019
Vinagre e ácido acético: semelhanças e diferenças
2019