Como a tragédia difere do drama - as principais diferenças entre os gêneros

Histórias sobre o difícil destino dos personagens e sua oposição às dificuldades da vida amam a maioria das pessoas. O drama e a tragédia são gêneros de cinema, teatro e literatura, que contam sobre a vida real sem embelezamento, sobre a complexidade da escolha e sobre a luta que ocorre dentro de cada pessoa. Para o futuro dos personagens, espectadores e leitores estão experimentando a sério, pois as histórias trágicas e dramáticas são tão estridentes e emocionais que é muito difícil ficar indiferente. Qual é a diferença entre drama e tragédia?

O que é drama?

O drama é uma forma de arte que é considerada a mais próxima da imagem da vida real, muitas vezes a sua base é a situação familiar habitual, que é vista de lados diferentes. Seja um filme de drama ou um livro de drama, o espectador e o leitor mergulharão completamente na vida privada de uma pessoa comum, tanto quanto as centenas de pessoas que encontram diariamente em seu caminho para o trabalho ou que moram perto delas.

A ênfase neste tipo de gênero é colocada nas contradições que são inerentes ao comportamento dos personagens, sua luta interior, a falta de uma visão precisa de como resolver o problema e como resistir ao destino e às barreiras à felicidade em situações difíceis da vida.

O que é tragédia?

Tragédia é uma tendência na arte, um gênero de arte que retrata os conflitos sociais, a vida real e as dificuldades dos heróis de forma intensa e intensa com o objetivo de simpatizar com os personagens, vivenciando por eles, imaginando como poderiam agir em tal situação de vida. Os acontecimentos da tragédia levam a um final catastrófico, o que é inevitável.

As contradições da vida que surgiram na vida do herói são insolúveis, levam à destruição de sua vida e ao fim trágico. Os autores da tragédia tentam retratar a vida dos personagens da forma mais plausível possível, os personagens têm personagens complexos, seu comportamento é contraditório e a vida é cheia de sofrimento.

O que a tragédia e o drama têm em comum?

Tragédia e drama como gêneros são encontrados na literatura, cinema e teatro. O drama é muito comum no cinema, para muitos escritores e diretores é um tipo favorito de gênero. Tragédias gostam de colocar mais no palco, de modo que a história para o espectador parece mais crível e realista. A base das criações dramáticas e trágicas - sérios problemas filosóficos, conflitos profundos e contradições afiadas. Heróis, tragédias e comédias, sofrem, estão em uma encruzilhada e não sabem como encontrar uma saída para o impasse da vida que foi criado.

Diferenças entre tragédia e drama?

Acontece que no início esse gênero apareceu como tragédia. No antigo teatro grego, as tragédias eram consideradas as mais populares, elas eram amadas pelo enredo intenso e emocionalmente rico em que os heróis tinham que desafiar o destino e resolutamente defender seu direito à felicidade, vitória ou amor. Juntamente com a comédia, a tragédia foi o principal gênero, e apenas anos depois surgiu o drama, que acabou por substituí-lo. Para entender as diferenças entre os dois gêneros, eles devem ser totalmente analisados.

Personagens

Os personagens das antigas tragédias gregas foram os primeiros heróis mitológicos e, depois, figuras históricas . A tragédia contou sobre circunstâncias excepcionais da vida, situações difíceis em que os personagens foram forçados a mostrar coragem, determinação ou sofrimento, apenas para aceitar a inevitabilidade do trágico final. O drama se tornou mais popular do que a tragédia na Grécia antiga, porque seus personagens eram pessoas comuns.

Os heróis do drama estão experimentando conflitos agudos, em suas vidas há situações difíceis e tensas das quais parece impossível encontrar uma saída. Muitas vezes, nas obras de teatro, há um monólogo, que ajuda a entender melhor o herói e os outros personagens, aproximar-se dele e penetrar plenamente em sua visão.

Enredo

Há muito que as tragédias eram consideradas mais sublimes, porque narravam sobre os sofrimentos que o herói experimentava, enquanto muitas vezes se sacrificava por seus parentes e parentes, rompendo sua vida e se destruindo, incapaz de extinguir o conflito interno. O enredo do drama é uma situação doméstica que se desdobra em uma família comum.

Uma situação difícil pode surgir no contexto de amor não correspondido ou infeliz, ou pode dizer respeito a uma pessoa que acha difícil resolver um conflito interno e viver em harmonia consigo mesmo e com a sociedade. Falta de dinheiro, pobreza, desigualdade social, conflitos entre pais e filhos, destinos difíceis - essas são todas as histórias que servem de base para o drama.

Finale

O final do trabalho também serve como um sinal claro da diferença entre tragédia e drama. Assim, o drama, apesar da seriedade do que está acontecendo, da profundidade das experiências dos heróis e dos problemas e conflitos agudos, ainda raramente termina com a morte do personagem principal . Em sua vida, algo pode melhorar ou esperar que o melhor apareça, ou o espectador verá que o fundo social está absorvendo cada vez mais o personagem e sair dele não vai funcionar. Acontece também que o herói morre, mas, ao mesmo tempo, ele faz essa escolha por conta própria e, se agiu de forma diferente, tal final pode não ser.

O herói tem o direito de escolher, enquanto na tragédia ele não tem o direito de escolher, desde o início fica claro que todos os eventos que ocorrem estão gradualmente se aproximando do triste final, que será marcado pela morte. Na tragédia do herói domina o destino do destino, apesar de todos os esforços e tentativas para resolver a situação desesperadora, ele morre. Se no drama o espectador é mostrado que na realidade tudo é decidido por uma pessoa e só ele é responsável por sua vida, então na tragédia uma pessoa obedece ao destino e apesar de todas as tentativas de desafiá-la, o fim da história será trágico.

Recomendado

“Prospan” e “Gadelix” - qual é a diferença entre médias e o que é melhor
2019
Qual é a diferença entre um motor síncrono e um assíncrono?
2019
Como um verso difere da prosa?
2019